segunda-feira, 30 de Maio de 2011

Orelhudos


Orelhudos é o nome destes bolinhos que fiz ontem para a sobremesa. Orelhudos porque, depois de cortar parte do centro para encher com o creme, esse centro é cortado ao meio e colocado dos lados para aparar o creme, dando a impressão de orelhas. Era também suposto levar um pedaçinho de cereja no topo, mas confesso, já as tinha comido todas! E mais houvesse, porque por muitas que sejam, cerejas são sempre poucas...
Estavam bons. Mas bom mesmo, foi todo o almoço. Somos só os quatro, como geralmente acontece no almoço de Domingo. O sogrinho e os três cá de casa. Mas as refeições são sempre animadas. Conversamos coisas sérias, coisas engraçadas, rimos, reflectimos, brincamos, fazemos planos, trocamos ideias, debatemos... E hoje foi mais prolongado do que o costume. É que, chegada a hora de ir ao cafézinho da praxe, houve um impedimento: a chuva, que começou a cair copiosamente. Oh que chato, já estávamos prontos para ir e prontos para ir ouvir o sermão do Sr. Xico, que de certeza não se ia inibir nada de dar uns puxões de orelhas no tisoiro.
Eu conto porque, quanto mais não seja, daqui a uns tempos, eu vou divertir-me muito a relembrar toda a cena. Na Sexta-feira de manhã, o tisoiro foi lá comprar pão. Normal, quando o pão falta e eu não tenho feito e/ou congelado. Pouco depois, depois de ele já ter saído para o trabalho e de eu estar quase a sair para o meu, deparei-me com a situação da falta de gás. E como a companhia do gás natural ainda não quis nada connosco, fui eu comprar a botijinha da ordem, no mesmo café. E o Sr. Xico fica a olhar para mim enquanto lhe faço o pedido: "Tá boa. Quer dizer, o marido vem buscar o pão, a mulher vem buscar o gás. Tá certo. Só eu é que nunca tenho sorte nenhuma com as mulheres." E a seguir um carradão de impropérios, como só o Sr. Xico, senhor para quase 70 anos, baixinho, careca e olhar malandro e enérgico sabe fazer. Ia morrendo a rir e o tisoiro também, quando lhe contei, mais tarde.
Mas não, ontem não fomos ao café. Tomámos em casa mesmo. E que bem que soube. O sogrinho tomou o habitual carioca, que lhe soube que nem ginjas. Com o cheirinho, pois tá claro, que já se é demasiado velho para se mudar de hábitos. E já agora, porque não o meu último licor, de erva-doce, que por acaso está de se lhe tirar o chapéu? Tudo isto entre amenas cavaqueiras, pássaros para aqui, autobiografias para acolá, mais horta daqui, mais histórias antigas d'acolá. E em paz, assim fizemos a festa toda.

6 comentários:

  1. Oi Flor!!!!
    Que belo domingo tivestes entre seus queridos!!!!
    Nós tbm estivemos juntos dos nossos lá de Friburgo, mas lá não teve orelhudos...teve bolo de goiabada com canela!!!!!rsrsrsrsr.........
    Bjos querida!

    ResponderEliminar
  2. Flor,
    O segrêdo do sofá branco é que não é um forro e sim uma capa que pode ser retirada e lavada sempre que sujar!!!! HAHAHAHAHAHA......
    bJOS

    ResponderEliminar
  3. Eu quero a receita dos orelhudos, fiquei com água na boca. beijo Margarida, uma boa semana para vc, querida.

    ResponderEliminar
  4. Seus orelhudos me parecem deliciosos.
    Adoraria ter a receita e acredito que muita gente também.
    bjs.

    ResponderEliminar
  5. oi eu sou de Mocambique, Maputo. E encontrei a receita d orelhudos pk perdi a minha.. .mas nao entendi, que quer dizer com: o mesmo peso dos ovos = peso de margarina? Qual a medida? Desculpa nha ignorancia ..bj e obrigada na mesma

    Aha e meu nome: Claudia de Abreu

    ResponderEliminar