segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Bom dia!



"E é por viver contente que concluo 
sem demora:
é a menina que vive por dentro, 
que alegra a mulher de fora! "

Luan Jessan


segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Praia, pedras e vida









Quando uma pedra se transforma em fio e quando esse fio se transforma num baú portátil de memórias a acarinhar. Carregar esta pedra ao pescoço tem para mim o valor simbólico de me fazer regressar às férias do Verão, onde caminhei pela praia, joguei beach ball, tomei banho, comi bem, vi os pescadores trazerem peixe do mar e essencialmente, onde sonhei e redimensionei a minha vida. De lá, trouxe o compromisso de abrandar cada vez mais e pôr cada coisa no seu devido lugar. De lá, trouxe esta certeza de que é no desacelerar e tomar consciência do aqui e do agora que a vida toma outro sabor e outro sentido. De lá, abracei a convicção de que não é pecado usufruir das coisas bonitas da vida e de que não é errado descansar aquilo que o corpo pede. Não faz sentido correr, se essa corrida não nos leva a um destino de paz e felicidade interior. Não faz sentido lutar por coisas materiais se, como diz a velha frase: as coisas mais importantes da vida não são coisas. Talvez me sinta desajustada neste mundo, mas isso só significa que talvez tenha sido criada para ajudar a construir um mundo novo!

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Casa







Quem me conhece, sabe que há uns poucos de anos que anseio ir morar para o campo. Há 5 ou 6 anos, não me lembro bem, pus o meu apartamento à venda, pesquisei, encontrei, negociei, tudo, só me restava que alguém o comprasse para eu poder comprar a casinha dos meus sonhos. As coisas não correram como eu desejava, e conformei-me, adquirindo novas formas de amar a minha casa. Novamente, há coisa de dois anos, voltei ao mesmo sentimento forte e voltei a pôr o apartamento à venda. A tal casinha dos meus sonhos já não estava à venda e encontrei outra. Novamente a espera saiu infrutífera. 
E hoje? Hoje mantenho o sonho. Mas aprendi a amar a minha casa. E percebo que, para onde quer que vá, é aqui que criei raízes, que já vivi o melhor e o pior da minha vida, de onde já saí e acabei por voltar. E amo-a. Por vezes desejo que não seja definitivo este amor, mas tenho, realmente, de ser muito grata pela casa que tenho. Muito arejada, muito luminosa, muito bem situada, com vista para o campo, de um lado e vista para a cidade de outro, e mesmo esta, com um jardim bonito e cuidado. Quando saio e regresso, sinto as mesmas emoções de há 21 anos atrás: a minha casa. A luz das diferentes estações, os cheiros dos dias, as pessoas que vão envelhecendo e outras crescendo, um pormenor aqui e ali que muda, mas o mesmo velho bairro onde me sinto em casa. Do lado com vista para o campo, é onde, afortunadamente, tenho a minha marquise, arejada no Verão e acolhedora no Inverno, de onde ouço o galo cantar a altas horas da madrugada, de onde ouço as ovelhas balirem, de onde vejo o vizinho a cultivar o seu terreno, transformando-o num jardim hortícola, com os seus sons próprios: o motor de rega, o tractor a fresar, os amigos que se juntam para a patuscada, um ou outro que pára para cumprimentar e trocar uns dedos de conversa. A minha casa. É aqui que vivo hoje. Com a graça de Deus.
E depois, convenhamos, qual é a casa que é abençoada com a visita de passarinhos que aqui ficam por horas? Ok, provavelmente muitas, mas deixem-se sonhar, está bem? ;)
E já agora, um feliz mês de Outubro a todos! :)

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Bom dia!





Tem paciência. 
Todas as coisas são difíceis 
antes de se tornarem fáceis.

Saadi


segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Como o rio que flui...



Vejo o sol cintilar na água.


Vejo ao longe um peixe a saltar.


Vejo na outra margem uma pessoa a pescar enquanto outros passeiam de bicicleta.


Vejo as nuvens brancas e cinzentas no céu, anunciando esperança de chuva.


Ouço os passarinhos que chegaram depois de mim.


Sente-se o ar e a paisagem secos à minha volta. Não está a ser fácil, este Verão.


Sinto o cheiro do sol a aquecer a minha pele.


Sinto o cheiro da rama dos pinheiros pequeninos perto da mesa onde me encontro.


Sempre imaginei como seria viver à beira da água...
Esta mistura de cheiros e de sons é completamente envolvente. Toma conta de mim. E faz-me sentir que a vida é isto. Que é perfeita.
Todos nós devíamos dedicar momentos da nossa vida a momentos como este, só nossos, para partilharmos se quisermos ou para deixarmos assim, só entre nós e Deus...


segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Nem tudo são retrocessos...








Às vezes, 
precisas de dar dois passos atrás 
para ganhar balanço


segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Desta vida real



Mais um marco na vida. Daqueles transformadores. Daqueles que não nos permitem ficar na mesma. Ou avançamos, ou recuamos. Ficar parados é morrer aos poucos. Bom, recuar, neste caso, será morrer... 
Momento de decisões. Principalmente as que partem do lado de dentro e se resolvem cá dentro.
Os meus dias, ou melhor, o meu interior, tem-se feito do que mostra a foto. Tapete, livros e luz.
Descobri o yoga há vários meses. Nada transcendente, no meu caso. Bem leve, online, ao meu ritmo, mas de uma descoberta bonita das maravilhas do corpo, das suas necessidades e dos seus limites. A professora é muito bem disposta e consciente do que fala. Nunca estou sozinha a movimentar o meu corpo. Nuns dias suo, noutros o ritmo é mais lento, nuns puxo por mim, noutros permito-me relaxar, mas quase sempre entregue à prática. Tem sido uma descoberta fantástica, esta, a qual já não passo sem.
Livros. De viagens interiores mas, principalmente a Bíblia e um pequeno devocional. Porque há momentos, ao longo do meu percurso, em que me pego afastada do essencial e da fonte da Vida e é a mesma vida que, por vezes de uma forma dura, me mostra que tenho de voltar ao Caminho. Muito, muito bom. Muito profundo. Restaurador voltar a ouvir, a falar, a ler, a ver Deus, o Pai em todos os momentos da minha vida. Que não estou só, eu já sei, mas sentir isso cravado na pele e no coração, é de todo vivificante.
Luz. A consequência mais natural. Porque quando nos predispomos a seguir a nossa voz interior, colocada ali pelo amor do Pai, por muito que a escuridão se faça sentir, a luz brilha por cima dela, tornando o caminho mais fácil de ser vislumbrado, ajudando a dar passos mais leves. O que é de todo importante para a leveza da vida. 
Sem dúvida, o mais importante não é o que nos acontece, é o que fazemos com o que nos acontece. É claro que a dor é inevitável, mas o sofrimento não. Que possamos sempre fazer as melhores escolhas na nossa vida, de modo a carregarmos um fardo o mais leve possível e a podermos iluminar o mundo com o nosso sorriso.